Sorteio: Carmen em 3D

postado em: Miscelânea | 40

Desde que um trem atravessou a tela do cinema e as pessoas saíram correndo de medo nós sabemos que o cinema é das artes mais poderosas para causar IMERSÃO: você entra em uma sala de cinema e simplesmente esquece das pessoas comendo pipoca à sua volta e toma a encenação do filme – o tal “fingimento” da arte – como real, pelo menos por um tempinho. Não por acaso a tecnologia tem investido desde sempre nessa qualidade, e mais recentemente temos visto propostas de imersão no cinema em três dimensões. E a música clássica com isso? Óperas têm sido transmitidas em salas de cinema já há algum tempo, e a experiência tanto pegou que a coisa acaba de embarcar na tecnologia 3D.

Ópera em 3D?

Já discutimos um pouco do efeito da tecnologia para auxiliar a encenação de uma ópera. Mas e a ópera em 3D, como será que vai se sair? Durante o mês de março, a Cinemark exibirá em várias cidades do Brasil a primeira ópera em 3D: Carmen, de Bizet, na montagem da Royal Opera House de Londres. E quem vai saber nos responder sobre essa experiência será VOCÊ, ao conferir a coisa pessoalmente!

Sorteio!

Euterpe irá sortear 12 convites para a Carmen 3D, que poderão ser trocados por ingressos (que sem convite poderiam custar até 50 reais) em qualquer bilheteria para qualquer dia e sessão disponível nos cinemas de todo o Brasil. Para concorrer, basta escrever um comentário neste post dizendo qual o seu post favorito de Euterpe até hoje. Sim!, certo remorso é inevitável em saber que certos posts vão ficando para trás, e por isso queremos convidá-lo a celebrar este sorteio explorando os arquivos (e categorias) de Euterpe para anunciar ao mundo qual o seu post favorito. Não se esqueça de preencher o seu e-mail (que não será divulgado) no comentário, a partir do qual entraremos em contato.

Segunda-feira agora, às 17h, o resultado será anunciado. Poucos dias, boas chances de ganhar. Manda ver!

40 Respostas

  1. Brunno B.
    |

    Meu post favorito até hoje é o “Estereótipos clássicos“.

  2. Rodolfo Minhoto
    |

    A conexão Bach-Mozart.

    Eu gosto de muitas outras matérias, lógico, mas essa eu li duas vezes rs

  3. André P.
    |

    Eu gostei da série sobre subjetividade/objetividade na música.

  4. Valter Benedito Pereira
    |

    É dificil escolher mas como adoro fugas: Entao você quer entender o que tem numa fuga.

  5. lucio medeiros
    |

    Sou recém chegado. Conheci o site através de um comentário n’um dos posts do PQPBach… Euterpe – o nome despertou minha curiosidade, então vim conferir. Posso dizer, aliás, deveria!, que não me arrependi. E assim devaneio por ser este meu primeiro comentário [que sirva também de apresentação!].

    Mas ora, se devo escolher um fragmento de tudo o que li até o momento, decido pela série de posts sobre ‘As Quatro Estações’ do Lucio Vivaldi, máxime o concerto RV. 293 – ‘L’Autunno’. Esta peça me era uma incógnita – até o dia em que meus olhos divisaram aquele soneto [nas páginas abstratas d’este blog]!! A alegria, a embriaguez, os celeiros fartos, a dança e o movimento… tudo me veio como um sonho bom e aroma de compreensão. A primeira audição que fiz d’essa peça – como das outras – depois da leitura dos sonetos foi simplesmente incrível!! Ninguém sabe o quanto me doia a ignorância, haha.

    No mais, só tenho que agradecer a esta equipe pela revelação tão bem detalhada, grâce…

  6. Richard
    |

    O Texto que mais gostei foi: Celibidache no Requiem de Mozart

  7. Gerson Tadeu Astolfi Vivan Filho
    |

    Difícil, muito difícil! Depois de muito eliminar, fiquei entre duas: a do Quodlibet das Variações Goldberg e a Análise da Noite Transfigurada, do Schoenberg. Fico com a Noite, pelo fato de ser a única obra analisada que eu nunca tinha ouvido antes, e que me deixou de queixo caído duplamente: primeiro, pela obra; segundo, pela soberba análise.

    O que não quer dizer que eu não tenha me deleitado com as sempre competentes análises e os sempre surpreendentes posts de Filosofia da Música; me arrebataram como pouca coisa por aí! O que sempre gostei no Euterpe, e que vem ocorrendo bem menos ultimamente, é que os posts eram no fundo apenas uma “introdução” para discussões bem mais profundas e inquietantes na seção dos comentários. Aprendi muito aqui e espero continuar aprendendo! Um grande abraço a vocês e vida longa ao Euterpe!

  8. Danielle Lopes
    |

    Gosto de todos os posts deste blog. É tudo muito rico! Mas como eu tenho que escolher um…

    Dvorák: Vodník (“O Espírito das Águas”) Op. 107.

  9. Gustavo
    |

    Gostei muito do post ‘Medea riconosciuta‘, em primeiro lugar pq a experiência relatada de ‘(re)descobrir’ uma obra já aconteceu diversas vezes comigo, mas também pq me levou a conhecer a gravação que hoje gosto muito…

  10. Tiago Arruda
    |

    Meu post favorito é:

    Cassações, Serenatas & Divertimentos.

  11. Diego Michel
    |

    Meu post favorito é “Música clássica: a desumana exigência da forma“, no entanto é impossivel separá-lo da série que começa com “Música clássica” que contém 4 posts.

    Nele contém uma passagem que me intriga sempre, “Arte x Beleza e Sentimentos”.

  12. Sonie Marie Pompi
    |

    Sem duvida, todos os “posts” sao belissimos, historicos e interessantes. O que mais gostei foi “Fuga felina“, e todos os que abordam/mostram a instigante historia de Mozart…extremamente oportunos e adoraveis!
    Isso e “arte” e “cultura” pura! Amo!
    Beijos

  13. Eduardo de Alencar
    |

    Gostei muito de Lévi-Strauss e a Música. Esse Randau tem futuro…

  14. Fernanda Pernasetti
    |

    Gostei muito do último do Fernando Randau sobre Villa; como leio o blog há pouco tempo, voto nele.

  15. Alexandre Camilo
    |

    Esse blog, faz bem pra alma ! è sempre um prazer ler ( e olha que sou relativamente novo na área ). Vou escolher pela emoção da critica sobre a Terceira Sinfonia de Mahler , pela OSESP ; ou “Por que amamos Mahler”. Eu estava lá , e ler o texto foi muito bom !

  16. IvanRicardo
    |

    Oba! Mas não dá pra escolher um só sem deixar de pensar nos outros. Fico com a análise da “Noite Transfigurada”.

  17. Marina Guerra
    |

    ah! também sou novata por aqui Lucio rsrs…
    Bom, cada post que leio é um mundo novo que se abre em minha frente! Todos muito interessantes!

    O que mais ficou na minha memória foi ”Então você quer saber o que é uma fuga…” foi o primeiro que li, e que expõe tanto a genialidade quanto a simplicidade que Glenn Gould colocou na fuga! =)

    Abraços a todos amigos!

  18. Laura Livia Calabi
    |

    Se é mesmo para escolher apenas um, que seja “A conexão Haydn-Mozart“, já que a cumplicidade musical inspira também o Euterpe.

  19. Liziê
    |

    Todos são muito interessantes, mas gostei muito do “Todas as manhãs do mundo“. O filme é maravilhoso e o post faz jus.

  20. Denis Pereira Ferreira
    |

    O meu post favorito até hoje é “Estereótipos clássicos” (por Bruno Gripp).

    Esse post mostra, de uma forma simples e bem humorada, que não existe um único tipo de ouvinte de música clássica.

    Durante a exibição da ópera ‘Carmen’ em 3D teremos o encontro desses vários tipos de ouvintes numa sala de cinema com suas diferentes abordagens para a apreciação musical. Cada estereótipo tem sua particularidade aflorada com um equilíbrio de virtudes e vícios.

  21. Priscila dos Santos Miranda
    |

    Todos são muito interessantes, mas elejo “A conexão Rousseau-Mozart” como o meu favorito.

  22. Phoebe
    |

    Queridos:

    São muitos os interessantes, mas o do Levi-Strauss eu li de uma sentada!
    Phoebe

  23. Daniele Dambroski
    |

    Os dois posts dos “240 anos de Beethoven: 10 momentos bizarros“.

  24. Eduardo Santos
    |

    Meu post favorito é “Smetana: Vltava (O Moldávia)“. A associação da música com as imagens e movimentos é de uma poesia que torna ainda mais bonita a obra. A partir do post pude entender o verdadeiro significado de “poema sinfônico”.

  25. dilson colman cassaro
    |

    melhor post foi subjetividade/objetividade na música

    faço faculdade de música e esse assunto me interessa bastante!
    :D

  26. Renato Passos
    |

    Me diverti bastante com o Então você quer entender o que tem numa fuga.

  27. Rafael
    |

    O fator surpresa me faz escolher o post sobre a última variação Goldberg, que o colega Gerson acima citou mas “rejeitou”. Keep up the good work!

  28. Marcos Paulo
    |

    Como este é meu primeiro comentário, apesar de muito tempo apreciar este site, parabenizo todos que fazem do Euterpe um bom recinto dos ouvintes da música erudita.
    Fiquei em dúvida entre o Então você quer entender o que tem numa fuga, A conexão Haydn-Mozart e Estereótipos Clássicos. Mas como amo muito Haydn (principalmente seu primeiro concerto para cello) fico com o segundo: A conexão Haydn-Mozart.

  29. João Pedro M. Oliveira
    |

    Voto na Canção mais assustadora de Schubert, que por enquanto tinha sido esquecida.

  30. Pádua Fernandes
    |

    Eu já vi a ópera (a protagonista, além de cantar bem, é uma atriz admirável), não estou concorrendo, portanto. Só quero participar da pesquisa: “240 anos de Beethoven: 10 momentos bizarros – Parte I” foi o que mais me divertiu, e inclui aquela música de pausas que Beethoven, nas Variações Diabelli, inventou.

  31. Konrad
    |

    O melhor de todos foi o do Fandango: Não esperava ouvir algo assim exótico num cravo!

  32. Tamara
    |

    O meu post favorito é O fandango no séc. XVIII!

  33. Felipe Hautequestt
    |

    Difícil escolher um só! Mas, como sou um amante inveterado das obras do mestre de Bonn, votarei no 240 anos de Beethoven: 10 momentos bizarros – Parte I.

  34. Marcelo Viana
    |

    O blog de vocês é sensacional, e chega a ser difícil escolher um post melhor. Mas o meu favorito é “240 anos de Beethoven – 10 momentos bizarros – Parte I“, porque sou fã desse surdo louco. Parabéns a vocês pelo ótimo trabalho.

  35. Thiago Araújo
    |

    Gostei bastante dos posts sobre 2 dos poemas sinfônicos do Dvórak, em especial esse:

    Dvorák: Vodník (“O Espírito das Águas”) Op. 107

    E parabéns pelo blog!

  36. Leo M.
    |

    Curti mto o 240 anos de Beethoven: 10 momentos bizarros do meu xará! Parabéns pelo blog!

  37. Mariane
    |

    Gostei muito da analise da Nona Sinfonia de Beethoven, mas ja que ninguem falou ainda da série Musica Classica e Porrada, vou ficar com essa mesma!

  38. André
    |

    Sem dúvida os posts relacionados com a análise de obra são os melhores. Pois saber, conhecer o que o compositor quis transmitir é fundamental para uma compreensão digna. Meu post preferido Vodník (“O Espírito das Águas”) Op. 107 de Dvorák.

  39. Eduardo Mesquita
    |

    Gosto muito de música antiga, então a série sobre Interpretação de Época foi uma discussão bem reveladora pra mim.

  40. Roman Schossig
    |

    Dificil escolher, gostei bastante das conexões envolvendo Mozart num geral, especialmente a CONEXÃO HAYDN-MOZART. Fico com este.

Deixe uma resposta