Noite Transfigurada – Parte V

No primeiro post da série sobre o sexteto Noite Transfigurada de Arnold Schoenberg, conhecemos um casal que passeava à noite; no segundo post, a mulher confessou ao homem que estava grávida de outro; no terceiro post ela narrou como ficou grávida de um desconhecido apenas para sentir as alegrias da maternidade, mas agora ela se sente terrivelmente culpada. Surpreendendo-a, no quarto post o homem a perdoou, e após alguns momentos românticos, ele a faz perceber que há algo de estranho naquela noite, um brilho por tudo, um calor diferente.

Continuando a quarta estrofe do poema, o homem diz:

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 278 a 286 (Juilliard-Trampler-Ma):

Die wird das fremde Kind verklären,
Este calor transfigurará a criança do desconhecido,

Violino 1 comps. 279 a 280
Transfiguração

O violino apresenta um novo motivo, o motivo da Transfiguração. Este é talvez o motivo mais importante em toda esta parte, e ajudará a explicar o inexplicável: o processo de transformação da criança do desconhecido na criança do narrador.

Se o relato da mulher lá na segunda estrofe era mais horizontal, isto é, uma sequência de eventos e motivos, aqui o relato do homem é referente ao interior das pessoas e será centrado numa experiência mais mística e subjetiva. Schoenberg põe isto em música de uma forma “vertical”, combinando os muitos motivos que conhecemos de forma contrapontística. Muita coisa acontecerá ao mesmo tempo, portanto não se decepcionem se não conseguirem acompanhar tudo pelo ouvido.

Violinos 1 e 2 comp. 291

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 287 a 293 (Juilliard-Trampler-Ma):

O desenvolvimento do motivo da transfiguração leva a um clímax, o segundo da sequência se contarmos o clímax que encerrou o post anterior. No caminho para o auge, ouvimos um fragmento do motivo na forma normal e em sua inversão, isto é, de cabeça para baixo… e ambos ao mesmo tempo. Apertem os cintos e afinem os ouvidos, a coisa vai ferver!

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 294 a 296 (Juilliard-Trampler-Ma):

Du wirst es mir, von mir gebären;
Você dará a luz a ela para mim, gerada por mim;

O violoncelo nos mostra o motivo da mulher, que no poema narrado pelo homem é você.

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 297 a 298 (Juilliard-Trampler-Ma):

Então ouvimos os motivos da maternidade (dará a luz) e da criança (a ela), seguidos do da transfiguração (para mim, a “minha” criança). Literalmente, os instrumentos estão dizendo: você dará a luz a ela para mim.

Comps. 296 a 298Digno de nota é o fato de que, enquanto quatro instrumentos estão com surdina (som fechado), apenas os primeiros violino e viola tocam sem surdina (com som aberto), e eles tocam justamente os motivos da maternidade e da criança. O “dará a luz a ela” é, também, um jogo de timbres.

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 299 a 302 (Juilliard-Trampler-Ma):

Repeteco do trecho que acabamos de ouvir: os motivos da mulher, da maternidade e da criança (você dará a luz a ela).

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 303 a 309 (Juilliard-Trampler-Ma):

Então focamos apenas na criança, preparando-a para seu processo de transformação. No meio de toda essa bagunça, os demais instrumentos ecoam fragmentos de outros motivos: a mulher, a transfiguração, e a inversão da transfiguração. Ao final deste terceiro clímax, vemos a criança sendo engolfada pela luz (o motivo do brilho).

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 310 a 319 (Juilliard-Trampler-Ma):

Comps. 310 e 311Mais ingredientes se somam para a transformação da criança: a noite e o calor, além do brilho que surge na metade do trecho. Jogue tudo no liquidificador e você tem mais um clímax, o quarto da sequência, seguido de uma breve “tomada de fôlego”.

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 320 a 332 (Juilliard-Trampler-Ma):

Comps. 320 e 321Para abençoar a combinação dos motivos da mulher, criança, transfiguração e calor, o violino apresenta um novo motivo, o “gerada por mim” (você dará a luz à criança gerada por mim). O quinto clímax, último e definitivo da sequência toda, inicia quando o diálogo entre o violino e o violoncelo torna-se mais acalorado.

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 332 a 337 (Juilliard-Trampler-Ma):

Tudo gira numa confusão só com os motivos da transfiguração e do calor, até chegarmos numa modulação absurda de Ré b Maior para Ré Maior:

Comps. 332 a 339
Redução harmônica dos compassos 332 a 339

Para mim, aqui é o ponto exato da transformação da criança (se é que isso pode existir).

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 338 a 344 (Juilliard-Trampler-Ma):

Concluindo o super-clímax, os motivos “gerada por mim” e da transfiguração conduzem apaixonadamente ao motivo do perdão no 1º violoncelo, exatamente a mesma frase que abriu toda a narrativa masculina. O final feliz já está pronto e nós poderíamos acabar por aqui, mas ainda temos um pequeno epílogo pela frente.

Viola 1 comp. 345
A criança do desconhecido

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 345 a 348 (Juilliard-Trampler-Ma):

Du hast den Glanz in mich gebracht,
Você tem trazido luz para dentro de mim,

Du hast mich selbst zum Kind gemacht.
Você tem gerado um filho de mim mesmo.

Para lembrar e fixar todo o conteúdo da quarta estrofe, temos agora um “resumo” de tudo o que aconteceu. Primeiro a viola nos apresenta à “criança do desconhecido”, resultante da união do motivo masculino “genérico” com o motivo da criança. (Olha  a baita dissonância no acompanhamento, criança genérica é algo muito feio). O 1º violino voa alto, resumindo a transfiguração dela…

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 349 a 352 (Juilliard-Trampler-Ma):

Comps. 349 e 351… e no final temos a “criança transfigurada pela noite” (na verdade, o motivo da criança do desconhecido modificado pelo motivo da noite). O motivo do perdão na viola identifica claramente quem é que está recebendo a criança: este homem não é um homem qualquer, como seria com o motivo masculino genérico, mas sim aquele que perdoou a mãe da criança. E, para não deixar dúvidas, no repeteco ele (o violoncelo) recebe a criança, e ela (o violino) recebe o perdão. Legal, né?

Gustav Klimt: Grávida nua olhando à esquerda
Gustav Klimt: Grávida nua olhando à esquerda

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 353 a 359 (Juilliard-Trampler-Ma):

O motivo do perdão ainda passeia por alguns instrumentos, até um fragmento da transfiguração eclodir no violino. Mas é uma transfiguração diferente, mais calma e sólida; parece que estamos falando de algo que já aconteceu, não?

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 360 a 366 (Juilliard-Trampler-Ma):

Da mesma forma, ouvimos agora uma versão diferente do motivo da maternidade. Por fim, fragmentos da transfiguração vão aos poucos desmontando tudo o que resta, em direção ao silêncio. É o fim da narrativa masculina.

Schoenberg: Noite Transfigurada – comp. 367 a 369 (Juilliard-Trampler-Ma):

Com todos os instrumentos em surdina (e assim ficarão até o final da obra), o violoncelo solta mais um murmúrio, o início do tema feminino, preparando o clima para a quinta e última estrofe do poema.

Falta pouco para acabar: restam ainda uma estrofe de 3 versos e 4 minutos de música, que ficarão para o sexto e último post da série. E no final de tudo, prometo deixar vocês com o poema simples sem mais bla bla bla e as músicas finais de cada um dos seis posts. Por falar nela… aí está! Direta e sem pausas, como de hábito.

Schoenberg: Noite Transfigurada – compassos 278 a 369 (Quarteto Juilliard com Walter Trampler e Yo-Yo Ma):

Este post pertence à série:
1. Noite Transfigurada – Parte I
2. Noite Transfigurada – Parte II
3. Noite Transfigurada – Parte III
4. Noite Transfigurada – Parte IV
5. Noite Transfigurada – Parte V
6. Noite Transfigurada – Parte VI

2 Respostas

  1. Leonardo T. Oliveira
    |

    Eu não imaginava que essa passagem da música condensasse tanta coisa ao mesmo tempo! :|

  2. Volnei dos Santos
    |

    Infelizmente, não tenho conhecimento técnico para colaborar com a análise! Mas pelo menos consigo acompanhar! E digo que essa série está melhor que o “Callas & Onassis” que estava passando na TV! Parabéns, Amâncio! :)
    Ansioso pelo último capítulo!! rsrs…

Deixe uma resposta