Os segredos da Paixão segundo São Mateus – 4. No caminho para o Monte das Oliveiras

Andrea Mantegna: Cristo no Monte das Oliveiras (detalhe)
Andrea Mantegna: Cristo no Monte das Oliveiras (detalhe)

Alô amigos da música, estamos aqui já há alguns dias analisando este monumento que é a Paixão segundo São Mateus de Bach, número a número, trecho a trecho. Dedicamos o primeiro post a assuntos introdutórios, como a história da composição, as primeiras performances e a estrutura; no segundo post começamos a analisar na música os eventos que aconteceram com Jesus em Betânia; e no último post tivemos a Santa Ceia. Aqui veremos Jesus conversando com seus discípulos após a ceia, enquanto todos caminham até o Monte das Oliveiras para orar.

14. Rezitativ (Mt 26,30-32): Und da sie den Lobgesang

Bach: Paixão segundo São Mateus – 14. Und da sie den Lobgesang (Bostridge – Herreweghe):

Evangelist
Und da sie den Lobgesang
gesprochen hatten,
gingen sie hinaus an den Ölberg.
Evangelista
E após terem cantado
um hino de ação de graças,
saíram para o Monte das Oliveiras.

Bach: St. Matthew-Passion - 14. Gingen sie hinaus an den Ölberg

Na maioria das vezes sempre tão discreto, aqui o baixo contínuo acorda para subir o Monte das Oliveiras junto com a voz do Evangelista. Este local é citado várias vezes na Bíblia, era um dos pontos de encontro favoritos de Jesus. Lá ele gostava de pregar ou simplesmente conversar com os discípulos, e é por isso que Judas, mesmo não estando presente até o final da ceia, sabia para onde Jesus havia ido após o término da mesma.

Bach: Paixão segundo São Mateus – 14. Da sprach Jesus zu ihnen (Bostridge – Selig – Herreweghe):

Evangelist
Da sprach Jesus zu ihnen:
Evangelista
Então Jesus disse a eles:
Jesus
In dieser Nacht werdet
ihr euch alle ärgern an mir.
Denn es stehet geschrieben:
Ich werde den Hirten schlagen,
und die Schafe der Herde
werden sich zerstreuen.
Wann ich aber auferstehe,
will ich vor euch hingehen in Galiläam.
Jesus
Nesta noite vocês todos
se aborrecerão por minha causa.
Pois está escrito:
Ferirei o pastor
e as ovelhas do rebanho
se dispersarão.
Mas quando eu ressuscitar,
eu irei na frente de vocês para a Galiléia.

Bach: St. Matthew-Passion - 14. In dieser Nacht werdet ihr euch alle ärgern an mir

As primeiras palavras de Jesus profetizam algo terrível, como podemos ver pelo trítono na palavra werdet, o verbo auxiliar no alemão para o tempo futuro, similar ao will do inglês ou “irão”, de “irão se aborrecer”, no português. Alle ärgern (todos se aborrecerão) também é cantado com dissonâncias, e tudo isso irá acontecer nesta noite (in dieser Nacht) descrita com notas graves escuras e trítonos assustadores.

Bach: St. Matthew-Passion - 14. Die Schafe der Herde werden sich zerstreuen

Para descrever a agitação nas ovelhas do rebanho, as cordas do acompanhamento tocam notinhas curtas e rápidas, incluindo até um cruzamento de vozes entre os primeiros e os segundos violinos. Na harmonia acadêmica, nos ensinam para evitar ao máximo o cruzamento de vozes, que acontece quando uma voz (instrumento) mais grave toca notas mais agudas que uma voz mais aguda. O motivo é que isso gera confusão e desorientação no ouvido do ouvinte – e não é exatamente isso que Bach quer mostrar para nós?

Bach: St. Matthew-Passion - 14. AufersteheApós Jesus mencionar a palavra auferstehe (ressuscitar), as cordas do acompanhamento sobem aos céus, se antecipando à subida da voz de Jesus, que diz que irá na frente dos discípulos até a Galiléia. E vejam só, mesmo sabendo que será abandonado por todos os discípulos, mesmo assim Jesus permanece fiel a eles e marca um novo encontro após a ressurreição.

15. Choral: Erkenne mich, mein Hüter

Como comentário ao trecho anterior do Evangelho, Bach escolheu a quinta estrofe do coral O Haupt voll Blut und Wunden, versos de Paul Gerhardt (1656) e melodia da canção popular Mein G’müt ist mir verwirret, de Hans Leo Hassler (1601). Esta melodia também é conhecida por outro nome, Herzlich tut mich verlangen, que é o nome do primeiro coral luterano escrito com esta melodia.

Bach: Paixão segundo São Mateus – 15. Erkenne mich mein Hüter (Philippe Herreweghe – Collegium Vocale Gent):

Erkenne mich, mein Hüter,
Mein Hirte, nimm mich an!
Von dir, Quell aller Güter,
Ist mir viel Gut’s getan.
Dein Mund hat mich gelabet
Mit Milch und süsser Kost,
Dein Geist hat mich begabet
Mit mancher Himmelslust.
Reconheça-me, meu guardião,
meu pastor, me leve com você!
De você, fonte de todas as bondades,
é que vem todos os meus bens.
Sua boca me alimentou
com leite e doce alimento,
Seu espírito me ofereceu
tantas alegrias celestes.
Bartolomé Esteban Murillo: O Bom Pastor
Bartolomé Esteban Murillo: O Bom Pastor

Esta estrofe foi escolhida por Bach porque faz citação ao pastor também mencionado no trecho anterior do Evangelho. Em suas pregações, Jesus frequentemente se compara a um pastor e os fiéis às ovelhas porque era uma profissão comum naquele tempo, e por isso a comparação seria facilmente entendida. A expressão “leite e mel” também é usada com frequência na Bíblia como sinônimo da palavra de Deus.

Este coral é o que retornará mais vezes na Paixão segundo São Mateus, nos números 17, 44, 54 e 62, e por isso acabou se tornando o “coral-símbolo” da grande Paixão. Veremos mais informações sobre ele na análise do nº 54, aguardem!

16. Rezitativ (Mt 26,33-35): Petrus aber antwortete

Bach: Paixão segundo São Mateus – 16. Petrus aber antwortete (Bostridge – Wörner – Herreweghe):

Evangelist
Petrus aber antwortete
und sprach zu ihm:
Evangelista
Pedro porém respondeu
dizendo-lhe:
Petrus
Wenn sie auch alle sich an dir ärgerten,
so will ich doch mich nimmermehr ärgern.
Pedro
Mesmo que todos se aborreçam com você,
eu nunca, jamais me aborrecerei.

Bach: St. Matthew-Passion - 16. So will ich doch mich nimmermehr ärgernPedro era um dos discípulos conhecido pelo seu jeito simples mas um tanto bronco e rude. E é assim que Bach o descreve musicalmente, com suas linhas melódicas soando toscas talvez devido ao uso exagerado de intervalos grandes, não melódicos, e melodias baseadas em arpejos. Certo é, há duas palavras em destaque na sua frase que acabamos de ouvir: ärgerten (aborreçam) tem um acorde dissonante de 7ª diminuta como acompanhamento, e até aí tudo bem. Mas nimmermehr (nunca mais) tem um trítono na voz, um sinal de que esse “nunca” talvez não seja tão “jamais” assim…

Bach: Paixão segundo São Mateus – 16. Jesus sprach zu ihm (Bostridge – Selig – Herreweghe):

Evangelist
Jesus sprach zu ihm:
Evangelista
Jesus disse a ele:
Jesus
Wahrlich, ich sage dir:
In dieser Nacht, ehe der Hahn krähet,
wirst du mich dreimal verleugnen.
Jesus
Em verdade, eu digo a você:
nesta noite, antes do galo cantar,
você me negará três vezes.

Bach: St. Matthew-Passion - 16. Ehe der Hahn krähetE após toda essa “firmeza” de Pedro, Jesus desmonta o discípulo: nessa noite tenebrosa (olha a nota grave de Nacht, noite), antes do galo cantar (com as notas dissonantes do acorde de 7ª diminuta), você me negará três vezes (dreimal, com um intervalo dissonante de 7ª diminuta).

Bach: Paixão segundo São Mateus – 16. Petrus sprach zu ihm (Bostridge – Wörner – Herreweghe):

Evangelist
Petrus sprach zu ihm:
Evangelista
Pedro disse a ele:
Petrus
Und wenn ich mit dir sterben müsste,
so will ich dich nicht verleugnen.
Pedro
Mesmo que eu tenha que morrer com você,
eu não o negarei.
Evangelist
Desgleichen sagten auch alle Jünger.
Evangelista
E o mesmo disseram todos os discípulos.

Bach: St. Matthew-Passion - 16. So will ich dich nicht verleugnen

James Tissot: São Pedro
James Tissot: São Pedro

Novamente as palavras de Pedro soam de maneira bruta, desta vez com direito a bastante cromatismo nas palavras dich nicht verleugnen (não te negarei). Firmeza total também com os demais discípulos: auch alle (também todos) tem um trítono na voz, acompanhado de um dissonante acorde de 7ª diminuta. Como se vê, Jesus está bem acompanhado nesse momento tão terrível…

17. Choral: Ich will hier bei dir stehen

Para socorrê-lo de tantos discípulos dissonantes, Bach faz a platéia confortar Jesus com os versos da sexta estrofe do mesmo coral que ouvimos agora há pouco, O Haupt voll Blut und Wunden:

Bach: Paixão segundo São Mateus – 17. Ich will hier bei dir stehen (Philippe Herreweghe – Collegium Vocale Gent):

Ich will hier bei dir stehen
Verachte mich doch nicht!
Von dir will ich nicht gehen,
Wenn dir dein Herze bricht;
Wenn dein Herz wird erblassen
Im letzten Todesstoss,
Alsdenn will ich dich fassen
In meinen Arm und Schoss.
Quero ficar aqui com você,
não me despreze!
Eu não vou deixá-lo
quando quebrarem o seu coração.
Quando seu coração empalidecer
no último golpe mortal,
então eu o acolherei
em meus braços e meu colo.

É uma referência direta ao abandono que Jesus sofrerá pelos seus discípulos. Relembrando: nós ouvimos este coral ali no nº 15, e ainda o ouviremos novamente em momentos muito especiais da Paixão, números 44, 54 e 62. Nestas três últimas vezes, a harmonização do coral será bem diferente destas duas vezes iniciais (15 e 17); já esta harmonização aqui (nº 17) é exatamente igual a do nº 15 com uma pequeníssima diferença: o coral aqui está transposto um semitom abaixo, lá era em Mi Maior e aqui está em Mi bemol Maior. Parece não ser muito relevante, mas…

Círculo de quintas
Círculo de quintas (clique para ampliar)

Vocês lembram que, lá atrás no nº 2, eu expliquei que sustenido (#) em alemão tem o mesmo nome da cruz de crucificação de Jesus? Isto vai começar a adquirir uma nova dimensão daqui por diante no que diz respeito ao campo das tonalidades. Quando Bach quiser mostrar o sofrimento de Jesus, ele usará tonalidades com bemóis, e para exaltar as maldades aplicadas a Jesus, ele usará as tonalidades com sustenidos (as “cruzes” em alemão). Importante notar, isso não é uma regra: é apenas mais uma das ferramentas que Bach tem à sua disposição para ilustrar musicalmente a história de Jesus.

E neste par de corais o uso dessa ferramenta é explícita, veja: os corais são iguais, a harmonização é igual, a instrumentação é quase igual (o nº 15 tinha flautas, e sua ausência no nº 17 tira uma camada de brilho do som). Bach assim quer chamar a nossa atenção para a mudança de tonalidades, pois saímos de um coral de 4 sustenidos (Mi Maior) para um de três bemóis (Mi bemol Maior), ou seja, estamos nos dirigindo para uma seção da Paixão onde vai imperar o drama pessoal interno de Jesus. Começando já no próximo recitativo:

18. Rezitativ (Mt 26,36-38): Da kam Jesus mit ihnem

Bach: Paixão segundo São Mateus – 18. Da kam Jesus mit ihnem (Bostridge – Selig – Herreweghe):

Evangelist
Da kam Jesus mit ihnen zu einem Hofe,
der hiess Gethsemane,
und sprach zu seinen Jüngern:
Evangelista
Então Jesus foi com eles até um jardim
chamado de Getsêmani,
e disse aos seus discípulos:
Jesus
Setzet euch hier,
bis dass ich dort hingehe und bete.
Jesus
Sentem-se aqui,
enquanto eu vou ali para orar.
Bach: St. Matthew-Passion - 18. Setzet euch hier, biss dass ich dort hingehe und bete
(clique para ampliar)

A partir daqui e até o final da primeira parte da Paixão, o Evangelista deixará de lado a narração objetiva e passará a se emocionar mais com a narrativa. Ouçam como as palavras de Jesus soam mais escuras, um dos motivos é por causa da tonalidade com bemóis, Mi bemol Maior tem 3 bemóis na escala. Hier (aqui) aponta para os graves, para baixo, aqui; dort (ali) aponta para os agudos, para cima, é logo ali para onde Jesus vai (hingehe) para orar. Agora reparem nas harmonias que as cordas tocam na menção da palavra bete (orar): não soa como se fosse um coral luterano?

Bach: Paixão segundo São Mateus – 18. Und nahm zu sich Petrum (Bostridge – Selig – Herreweghe):

Evangelist
Und nahm zu sich Petrum
und die zween Söhne Zebedäi,
und fing an zu trauern und zu zagen.
Evangelista
E levou consigo Pedro
e os dois filhos de Zebedeu,
e começou a ficar triste e angustiado.

Dentre os onze discípulos presentes, Jesus escolheu três bem especiais. Pedro é aquele que disse que iria ficar com Jesus até o final, mas ali no nº 38 vai negar o Mestre três vezes. Tiago e João, filhos de Zebedeu, são aqueles que, por se considerarem “os maiores discípulos”, pediram a Jesus para sentarem-se à sua esquerda e à direita quando Jesus estivesse na glória do Reino de Deus. São estes três que vão dormir ao invés de vigiar (vejam os números 24 e 26, no próximo post), e ao final presenciarão a prisão de Jesus no nº 26.

Quanto à música: tem algo mais triste do que a melodia cromática de fing an zu trauern und zu zagen (começou a ficar triste e angustiado)? Sem falar que já estamos com 4 bemóis de escuridão, em Fá menor.

Bach: Paixão segundo São Mateus – 18. Da sprach Jesus zu ihnen (Bostridge – Selig – Herreweghe):

Evangelist
Da sprach Jesus zu ihnen:
Evangelista
Então disse Jesus a eles:
Jesus
Meine Seele ist betrübt bis an den Tod;
bleibet hier und wachet mit mir.
Jesus
Minha alma está numa tristeza de morte;
fiquem aqui e vigiem comigo.
Bach: St. Matthew-Passion - 18. Meine Seele ist betrübt bis an den Tod
(clique para ampliar)

Agora a escuridão domina por completo. A palavra betrübt (tristeza) de Jesus tem dois trítonos e dois acordes de 7ª diminuta; eu até poderia dizer que, com tantas dissonâncias, só poderia ser uma “tristeza de morte” mesmo… mas nem precisaria, ela própria aparece logo em seguida: Tod (morte) está lá nas profundezas de um lá bemol, a nota mais grave que Jesus canta em toda a Paixão segundo São Mateus. E essas notas repetidas do acompanhamento, não parecem um coração angustiado querendo saltar do peito, com um nó a fechar a garganta? No final, a palavra wachet (vigiem) cantada com um trítono na nota mais aguda do trecho não acaba com a escuridão de 4 bemóis, mas pelo menos a torna mais suportável, encerrando o trecho com uma cadência para Lá bemol Maior.

19. Rezitativ (Tenor) mit Choral: O Schmerz!

Bach: St. Matthew-Passion - 18. Wachet mit mirO acompanhamento do próximo comentário ao Evangelho usa a mesma melodia das palavras wachet mit mir (vigiem comigo) de Jesus, ouçam:

Wachet mit mir – Acompanhamento do nº 19:

Este recitativo e a ária que vem a seguir fogem do padrão de tudo que já ouvimos anteriormente. Tanto o solista quanto as duas flautas, os dois oboés da caccia e o contínuo de acompanhamento pertencem ao Coro 1 e Orquestra 1, mas de tempos em tempos todos estes silenciam para ouvir intervenções do Coro 2 e Orquestra 2:

Bach: Paixão segundo São Mateus – 19. O Schmerz (1) (Güra – Herreweghe – Collegium Vocale Gent):

Solo
O Schmerz!
Hier zittert das gequälte Herz.
Wie sinkt es hin,
wie bleicht sein Angesicht!
Solo
Oh dor!
Aqui estremece o coração torturado.
Como desfalece,
como empalidece seu rosto!
Choral
Was ist die Ursach’ aller solcher Plagen?
Coral
Qual é a causa de todas essas pragas?
Giacinto Brandi: Cristo no jardim do Getsêmani
Giacinto Brandi: Cristo no jardim do Getsêmani

O acompanhamento pulsante lembra o mesmo coração angustiado que ouvimos agora há pouco pulando pela boca de Jesus, só que agora o coração que pula é o do tenor solista, um cristão fiel. A frase wie sinkt es hin (como desfalece) é descendente, desfalecendo para baixo, enquanto que as flautas e os oboés da caccia ficam relembrando o wachet mit mir (vigiem comigo) de Jesus.

Mas interessante mesmo é reconhecer nas intervenções do Coro 2 e Orquestra 2 o coral luterano Herzliebster Jesu de Johann Heermann e Johann Crüger – exatamente o mesmo coral que ouvimos lá no nº 3 e que ainda ouviremos no nº 46. Ouça aqui novamente aquele coral, o nº 3…

Bach: Paixão segundo São Mateus – 03. Herzliebster Jesu (Philippe Herreweghe – Collegium Vocale Gent):

… e agora compare, no próximo player, com uma montagem só com as intervenções do Coro 2:

Bach: Paixão segundo São Mateus – Montagem de Was ist die Ursach aller solcher Plagen (Herreweghe – Collegium Vocale Gent):

Was ist die Ursach’ aller solcher Plagen?
Ach, meine Sünden haben dich geschlagen.
Ich, ach Herr Jesu, habe dies verschuldet,
Was du erduldet!
Qual é a causa de todas essas pragas?
Ah, meus pecados o espancaram.
Eu, ah Senhor Jesus, tenho esta culpa,
que você suporta!

Estes versos são da terceira estrofe do coral Herzliebster Jesu que, repito, estão intercaladas com os versos do tenor solista. Ouça mais um exemplo na continuação do recitativo:

Bach: Paixão segundo São Mateus – 19. O Schmerz (2) (Güra – Herreweghe – Collegium Vocale Gent):

Solo
Der Richter führt ihn vor Gericht,
Da ist kein Trost, kein Helfer nicht.
Solo
O juiz o leva diante do tribunal,
Não há consolo, não há ajuda.
Choral
Ach, meine Sünden haben dich geschlagen.
Coral
Ah, meus pecados o espancaram.

Bach: St. Matthew-Passion - 19. Da ist kein TrostGericht (tribunal) no agudo mostra o poder do tribunal, e a frase da ist kein Trost (não há consolo) é cantada com as notas do acorde de 7ª diminuta, tendo o próprio acorde dissonante como acompanhamento. Simbólico, não?

Bach: Paixão segundo São Mateus – 19. O Schmerz (3) (Güra – Herreweghe – Collegium Vocale Gent):

Solo
Er leidet alle Höllenqualen,
Er soll vor fremden Raub bezahlen.
Solo
Ele sofre todos os tormentos do inferno,
ele deve pagar pelo roubo dos outros.
Choral
Ich, ach Herr Jesu, habe dies verschuldet,
Was du erduldet!
Coral
Eu, ah Senhor Jesus, tenho esta culpa,
que você suporta!
Solo
Ach, könnte meine Liebe dir,
Mein Heil, dein Zittern und dein Zagen
Vermindern oder helfen tragen,
Wie gerne blieb ich hier!
Solo
Ah, se meu amor pudesse,
meu Salvador, o seu tremor e sua angústia
diminuir ou ajudar a suportá-los,
como eu gostaria de ficar aqui!

E após vários acordes dissonantes e tonalidade indecisa, o recitativo termina em aberto com um raio de luz em Sol Maior. Sim, claro, o tenor solista optou por ficar com Jesus para consolá-lo, e isso explica o porquê de um final feliz em tom maior… mesmo que seja apenas como dominante de uma tônica oculta.

20. Arie (Tenor) mit Chor: Ich will bei meinem Jesu wachen

A ária abre com a definição da tônica que ficou em aberto no último recitativo: Dó menor!

Bach: Paixão segundo São Mateus – 20. Ich will bei meinem Jesu wachen (Güra – Herreweghe – Collegium Vocale Gent):

Solo
Ich will bei meinem Jesu wachen.
Solo
Eu quero vigiar junto do meu Jesus.
Chor 2
So schlafen unsre Sünden ein.
Coro 2
Assim adormecem nossos pecados.
Solo
Meinen Tod büsset seiner Seelen Not,
Sein Trauren machet mich voll Freuden.
Solo
A aflição da sua alma expia a minha morte,
Seu sofrimento me garantem plena alegria.
Chor 2
Drum muss uns sein verdienstlich Leiden
Recht bitter und doch süsse sein.
Coro 2
Portanto seu digno sofrimento precisa ser
bem amargo e, ao mesmo tempo, doce.

Bach: St. Matthew-Passion - 20. So schlafen einNada de flautas, nem de oboés da caccia: o acompanhamento do tenor é um simples oboé com baixo contínuo. As flautas e cordas só aparecem para acompanhar as intervenções do Coro 2, anotado piano sempre (sempre fraco) na partitura. Anotações de intensidade como essa eram um tanto raras na época barroca, mas aqui elas fazem todo o sentido, pois Bach não queria acordar os pecados adormecidos.

Bach: St. Matthew-Passion - 20. Tod und Freuden

Na parte central, dois contrastes chamam a atenção. O primeiro com o tenor, a palavra Tod (morte) cai numa nota longa e sem vida, bem diferente de Freuden (alegria), cheia de notinhas irrequietas. O segundo contraste vem com o coro 2, é a dissonância de bitter (amargo) e a doçura de süsse (doce). Por fim, no retorno à primeira parte, eu sempre tenho a impressão que os pecados adormecem mais ainda…

Este par recitativo-ária com coro prepara o ouvinte para o final da primeira parte da Paixão, que será o assunto do nosso próximo post. Mas é interessante notar que há outro par recitativo-ária com coro bem lá na frente, nos números 59 e 60, e lá eles preparam o ouvinte para o final da segunda parte da Paixão. A diferença entre os dois é que aqui o grupo 1 silencia para ouvir as intervenções do grupo 2, e lá as intervenções do coro 2 acontecem enquanto o grupo 1 toca. Isso gera uma certa curiosidade “gráfica” interessante… mas não quero revelar já a surpresa que aguarda todos vocês lá no post 9. Vamos com calma, um assunto de cada vez, e na semana que vem ouviremos a tentação no Getsêmani e a prisão de Jesus. Aguardo todos vocês, hein!

Este post pertence à série “Os segredos da Paixão segundo São Mateus”:
1. Introdução, história da composição e estrutura
2. Jesus em Betânia
3. A Última Ceia
4. No caminho para o Monte das Oliveiras
5. Tentação e Prisão de Jesus
6. Jesus diante de Caifás
7. O destino de Pedro e Judas
8. O julgamento diante de Pilatos
9. A Crucificação
10. Morte e Sepultamento
Tradução da Paixão segundo São Mateus, de Bach

5 Respostas

  1. Denison Rosario
    |

    Esperei ansioso por este terceiro post e ele chegou, graças a deus…tenho acompanhado os comentarios com partitura e CD tocando…estou adorando, voce está de parabens pelas análises…levo uma hora e meia analisando junto com voce as informações…como é uma vez por semana, nao está cansativo, mas, poderia bem ser duas por semana…mas, tudo bem…ok.

  2. Amancio Cueto Jr.
    |

    Obrigado Denison! Estou fazendo o possível para manter um ritmo de um post a cada 5 dias, e assim concluir toda a obra até a Sexta-feira Santa. A idéia é exatamente essa, não ser cansativo, pois os textos são longos e as músicas são cheias de detalhes – e estamos falando de uma música de quase 3 horas de duração! Aquele que deixar para ler tudo no último dia, talvez não consiga ter tempo para isso.

  3. irumar tedesco
    |

    Muito obrigada. Eu que gosto de musica , mas não tenho
    conhecimento ,este blog nos alimenta profundamente. Obrigada.

  4. Elisangela Martins
    |

    Tenho que concordar com o Denison, ansiedade é a palavra que define bem o intervalo entre um post e outro. E a riqueza de detalhes tornam os textos muito interessantes!
    O termo cansativo seria improvável.
    Bjs.

  5. Adriano
    |

    Grandiosa análise! E bastante didática para quem entende pouco de música.

Deixe uma resposta