Em 24 de julho de 2012, por Greg Sandow

Então por que o festival White Light do Lincoln Center importa? Eu o mencionei em meu último post sobre um novo público, e listei os programas para a próxima temporada:

Première americana de Rian, apresentada pelo Fabulous Beast Dance Theatre da Irlanda.

O virtuose Wang Li toca berimbau de boca e flauta cabaça

Première em N.Y. de Vertical Road, do coreógrafo Akram Khan

Cameron Carpenter toca Bach ao órgão do Alice Tully Hall

Das Lied von der Erde de Mahler, arranjado para orquestra de câmara, conduzida por Matthias Pintscher, e apresentada pelo pianista Emanuel Ax, membros da New York Philharmonic, mezzo-soprano Tamara Mumford e tenor Russell Thomas

Cosmic Pulses, programa exclusivo de Stockhausen, apresentado pelo percussionista Stuart Gerber e pelo projetista de som Joe Drew

Debut americano do Latvian Radio Choir

Mary Chapin Carpenter canta seu novo álbum, Ashes and Roses

A obra musical/teatral de Heiner Goebbels I went to the house but did not enter [Eu fui para casa mas não entrei], com o Hilliard Ensemble

Esa-Pekka Salonen rege a Philharmonia Orchestra na Sinfonia No. 9 de Mahler

Então aqui temos música clássica, antiga e nova, misturada com o mundo da música, teatro, dança e pop. O fio unindo isso tudo junto é a espiritualidade. E o que o Lincoln Center fez, com esse foco, foi trazer um público (um segmento, suponho, do público da Next Wave da Brooklyn Academy of Music) interessado em arte, e feliz em ir a eventos de música clássica porque eles fazem parte do festival.

Algo parecido aconteceu alguns anos atrás com o festival Tully Scope do Lincoln Center, que era apenas de música, de vários tipos. Eu fui a um dos eventos, e ouvi uma noite de Heiner Goebbels (música clássica atual), tocado para uma casa relativamente cheia de pessoas – e essa não era apenas a minha visão – que claramente não eram o público clássico padrão ou o público de música nova padrão. O Lincoln Center encontrou um público ansioso em vir para o que quer que o festival oferecesse – Goebbels, Emanual Ax tocando Schubert, Xenakis, Tyondai Braxton tocando rock com uma orquestra clássica. E, como escrevi antes, tem havido muitos eventos em Nova Iorque que atraem um público não clássico para música clássica nova – a maratona Bang on a Can, um grande concerto orquestral da Wordless Music. E sim, o concerto da Wordless Music teve uma peça de Jonny Greenwood, o guitarrista do Radiohead, e ela foi claramente o grande atrativo. Mas foi uma peça que qualquer grupo clássico deveria ter orgulho em tocar, uma peça cuja linhagem remonta muito mais à textura musical de compositores como Penderecki do que com rock. (Como você pode ouvir pelo selo Nonesuch, comparando Greenwood ao próprio Penderecki. (Aqui um link do Spotify caso você queira ouvir.))

A lição para nós aqui? Que se você cria um evento – algo que parece mais do que o concerto clássico usual –, as pessoas abertas a uma cultura mais aventureira podem muito bem vir, independente delas normalmente irem a apresentações clássicas.

E não funciona apenas em Nova Iorque. Em Sakatoon, Saskatchewan, Lia Pas fundou o Mysterium Choir, que por dois anos apresentou concertos de música espiritual, incluindo peças de Meredith Monk e Pauline Oliveros. Ela me contou que atraiu mais pessoas do que a série de música de câmara de Saskatoon.

(A imagem que usei aqui vem do site dela.)

“Programming for a new audience — things that worked”, por Greg Sandow, traduzido por Leonardo T. Oliveira.

Este post pertence à série A crise da música clássica, por Greg Sandow:
1. Um tempo selvagem, em 12 de junho de 2012
2. A grande mudança, em 14 de junho de 2012
3. Por que o público vence a apologia, sempre, em 15 de junho de 2012
4. Construindo um público jovem (primeiro post), em 19 de junho de 2012
5. Colocando isso em prática, em 20 de junho de 2012
6. Construindo um público jovem (segunda parte), em 24 de junho de 2012
7. Construindo um público jovem (mais sobre música nova), em 27 de junho de 2012
8. Construindo um público jovem (mais sobre a mudança da cultura), em 28 de junho de 2012
9. Construindo um público jovem (prova da mudança da cultura), em 2 de julho de 2012
10. Programando a música clássica para a nova cultura (primeiro post), em 8 de julho de 2012
11. Boulez e Godard, em 11 de julho de 2012
12. Programando para um novo público: um exemplo, em 13 de julho de 2012
13. Programando para um novo público — Shuffle.Play.Listen, em 17 de julho de 2012
14. Programando para um novo público — mais exemplos, em 20 de julho de 2012
15. Programando para um novo público — coisas que funcionaram, em 24 de julho de 2012
16. Nova programação — expandindo a caixa, em 25 de julho de 2012
17. Repertório — post final, 31 de julho de 2012
18. Tocando mais vividamente, para o novo público, em 2 de agosto de 2012
19. Tocando mais vividamente — segundo post, em 6 de agosto de 2012
20. O que temos que fazer, em 11 de setembro de 2012
21. Quatro pontos para o futuro, em 13 de setembro de 2012

Deixe uma resposta